Menu


PROGRAMA GALPÃO DO TIO TONHO - AOS SÁBADOS, ÀS 08 HORAS DA MANHÃ

Professores se acorrentam para pedir negociação com o governo do RS 

29 NOV 2017
29 de Novembro de 2017

Três professores da rede pública estadual do Rio Grande do Sul se acorrentaram à entrada do Palácio Piratini, sede do Governo do Rio Grande do Sul, no Centro de Porto Alegre, na manhã de terça-feira (28). Eles pedem uma negociação para encerrar a greve da categoria, que já dura mais de 80 dias.

"Queremos chamar a atenção que estamos dispostos à negociação, desde que o governo avance nessa proposta", disse a professora Cleusa Werner, em entrevista pelo telefone, enquanto estava acorrentada no local. "O governo não avançou nas negociações, não apresentou nada que pudesse fazer com que a categoria voltasse da greve", acrescentou.

Segundo a sindicalista de Canoas, na Região Metropolitana, a vigília permanecerá quinta-feira (28). Até lá, vários professores se revezarão no posto.

Os professores da rede pública estadual  entraram em greve no dia 5 de setembro. A principal reivindicação é o pagamento em dia dos salários do funcionalismo, que vinham sendo parcelados desde fevereiro do ano passado e, a partir de outubro, são depositados conforme a renda dos trabalhadores – quem ganha menos recebe em dia.

O governo e o CPERS, sindicato que representa a categoria, entraram em negociações. Após ter uma proposta rejeitada, o Piratini apresentou uma contraproposta. Em assembleia geral no último dia 10, os professores decidiram não aceitar a segunda oferta e manter a greve. No dia 14, a administração estadual avisava que não negociaria mais até que os professores voltassem a trabalhar.

Cleusa destaca que a reclamação da classe é o fato do governo condicionar o atendimento às reivindicações ao ingresso no Regime de Recuperação Fiscal. "Esse projeto é muito danoso ao serviço público de modo geral, especialmente a nós, educadores, pois prevê que o governo vai congelar o nosso salario por seis anos", diz a professora.

Apesar da continuidade da greve, muitas escolas têm aulas. O governo já determinou um calendário para a recuperação das aulas, que devem terminar até janeiro do ano que vem.

 

 

Do G1/RS

Foto: Jonas Campos/RBS TV
Voltar


© Copyright - Todos os direitos reservados -  Portal Rádio Cidade1 - Aqui também matérias creditadas aos seus autores

Tenha você também a sua rádio